(11) 2174-2017    secretaria.fnru@gmail.com

Fórum Nacional de Reforma Urbana

O Fórum Nacional de Reforma Urbana é uma articulação de organizações brasileiras, que reúne movimentos populares, associações de classe, organizações não governamentais e instituições de pesquisa defensoras e promotoras do direito à cidade

Novidades

  • Separar por
  • Título
  • Data
  • Diversos

As metrópoles brasileiras têm enfrentado nos últimos anos uma crise de mobilidade urbana, resultante, sobretudo, da opção pelo modo de transporte individual em detrimento das formas coletivas de deslocamento. É o que mostra o relatório organizado pelo INCT Observatório das Metrópoles que aponta a explosão do número de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras. Entre 2001 e 2011, o número de automóveis nas 12 metrópoles aumentou de 11,5 milhões para 20,5 milhões. Já as motocicletas passaram de 4,5 milhões para 18,3 milhões nestes mesmos dez anos.

O relatório “Metrópoles em números: Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011” foi organizado pelo pesquisador Juciano Martins Rodrigues, do Observatório das Metrópoles, a partir das informações fornecidas pelo DENATRAN.

O estudo foi tema de reportagem jornalística dos principais veículos de imprensa do Brasil nesta terça-feira (02/10), como Jornal O Estado de São Paulo, Veja Online, Portal Terra, Jornal do Brasil, UOL, Estado de Minas, Portal O Tempo, Correio Brasiliense, Rádio Band News, SBT, O Globo.com, Blog do Noblat, Gazeta do Povo, Diário do Nordeste, Folha de Pernambuco, Metro Jornal, Revista Exame, Jornal O Popular (Goiânia), entre outros. A divulgação da pesquisa e o relacionamento com as principais empresas de comunicação brasileiras representam mais uma etapa do trabalho de difusão do INCT Observatório das Metrópoles.

No caso da temática da mobilidade urbana, o instituto defende soluções coletivas e sustentáveis de transporte urbano em detrimento das opções individuais. Já que em 2011 o número de automóveis nas metrópoles brasileiras chegou a atingir a marca de 20.525.124 veículos. Este número representa aproximadamente 44% de toda a frota brasileira. Nessas metrópoles, entre 2001 e 2011, houve um aumento de mais de 8,9 milhões de automóveis, aproximadamente 77,8%. Em média, foram adicionados mais de 890 mil veículos por ano.

São Paulo, a metrópole mais populosa, conta com a maior frota, aproximadamente 8,2 milhões, o que equivale a 17,8% de toda a frota nacional. Entre2001 e 2001 a frota da metrópole paulistana cresceu em 68,7%, o que corresponde a mais de 3,4 milhões em termos absolutos. Embora abaixo do crescimento das metrópoles e do crescimento do Brasil (90%) é uma soma considerável, principalmente se considerarmos a frota já existente em 2001, que era de 4,9 milhões de automóveis.

Apesar de apresentar crescimento relativo menor do que as médias nacional e metropolitana, o Rio de Janeiro registrou um aumento absoluto considerável. Nos dez anos considerados, a frota da metrópole fluminense cresceu 62% ou mais de 1 milhão de automóveis em termos absolutos.

Na Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal (RIDE DF), nucleada pela Capital Federal, a frota de automóveis cresceu em 103,6%, passando de pouco mais de 626 mil veículos em 2001 para mais de 1,2 milhão em 2011.  Destes, quase a metade, ou 537.803 automóveis, estão em Brasília. Mas vale destacar, que o entorno do núcleo metropolitano registrou um crescimento da frota na ordem de 220,7%.

Entre as maiores metrópoles Belo Horizonte foi a que registrou o maior crescimento relativo no número de automóveis nos dez anos considerados nesta análise, com um percentual de crescimento superior, inclusive, a média nacional. Em 2001 a frota da metrópole era de 841.060 veículos e, com um aumento de 108,5%, atingiu a marca de 1,7 milhão em 2011. Na metrópole mineira, foram acrescentados em média a cada ano 91.235 veículos.

Para informações completas acesse o relatório aqui.

Frota de veículos nas capitais quase dobra em 10 anos

A frota das 12 principais capitais do Brasil praticamente dobrou em dez anos. O crescimento médio no número de veículos foi de 77%, sem que a infraestrutura viária e os órgãos de controle do trânsito acompanhassem o ritmo. Em São Paulo, a metrópole que mais ganhou carros em números absolutos, as ruas receberam 3,4 milhões entre 2001 e 2011. As 12 principais metrópoles somam 20 milhões de veículos, o que corresponde a 44% da frota nacional.

A conta é do Observatório das Metrópoles e usa dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Segundo o elaborador do estudo, o pesquisador Juciano Martins Rodrigues, foram analisadas informações de 253 municípios. “Usamos os critérios do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para selecionar as capitais de Estado que formavam regiões metropolitanas”, afirma.

São Paulo e Rio, capitais que já tinham as maiores frotas de carros do País, ficam nas últimas posições do ranking elaborado pelo estudo - que classifica o crescimento de frota de acordo com o crescimento relativo, ou seja, pelo porcentual de aumento do número de carros. O Rio é o lanterna: crescimento de 67%, embora isso signifique acréscimo de 1 milhão de carros no período. Já São Paulo teve crescimento populacional de 7,9% na década, segundo dados da Fundação Seade - e o porcentual de aumento de carros foi de 68,2%. Com o critério porcentual, a região metropolitana de Manaus é a campeã. O aumento da frota foi de 141,9%. A cidade ganhou 209 mil veículos (saltou de 147 mil, em 2001, para 357 mil).

As capitais não estavam preparadas para receber tantos carros a mais. Em São Paulo, por exemplo, em 2001 havia 1,2 mil agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) orientando o trânsito nas ruas. De lá para cá, mesmo com dois concursos públicos para marronzinhos, esse número não chega a 2 mil. A principal obra viária no período foi a ampliação da Marginal do Tietê, que trouxe mais três pistas para a via expressa. Nesse período, a velocidade média dos carros no horário de pico, medida pela CET no Corredor Eusébio Matoso-Rebouças-Consolação, caiu de 17,9 km/h para 7,6 km/h.

O crescimento da frota de veículos é um fenômeno que vem sendo notado há alguns anos, mas ainda não havia sido analisado como o Observatório das Metrópoles fez. Para especialistas e autoridades, o avanço resulta de três fatores: aumento da renda da população (especialmente da classe C), reduções fiscais do governo federal e facilidades de crédito promovidas pelos bancos. O gerente aposentado Pedro Manzoni, de 73 anos, é um exemplo. Dono de um Corsa zero-quilômetro, diz trocar de carro a cada vez que o veículo atinge 20 mil km rodados. “Já cheguei a ter cinco em casa, quando os filhos moravam comigo. Hoje, tenho apenas o meu, mas os filhos continuam com os deles.”

Agenda

Seminário Nacional Metropolização e Megaeventos

Seminário Nacional Metropolização e Megaeventos

Seminário Nacional “Metropolização e Megaeventos: os impactos da Copa do...

10 Dez

Acesse também

  • Direito à Moradia >

    Neste link abaixo você encontra informações como o que é o direito à moradia e quais são seus fundamentos legais Leia Mais
  • Comitês Populares da Copa 2014 >

    Neste link abaixo você encontra as mais diversas informações sobre os comitês populares da Copa de 2014. Leia Mais
  • Plataforma Internacional do Direito à Cidade >

    Neste link abaixo você encontra a Coalisão internacional do Habitat – América Latina reúne mais de 100 organizações de 19 países Leia Mais
  • 1

FÓRUM NACIONAL DE REFORMA URBANA

Galeria

galeria-de-fotosgaleria-de-fotosgaleria-de-fotosgaleria-de-fotosgaleria-de-fotosgaleria-de-fotosgaleria-de-fotosgaleria-de-fotosgaleria-de-fotos

Newsletter

Fique por dentro das notícias do FNRU e cadastre-se para receber nosso informativo quinzenal!

Fale Conosco

 End.:: Rua Araújo, n° 124, Vila Buarque. São Paulo / SP

  Tel.: (11) 2174-2017

  Skype: secretaria.fnru